quarta-feira, 17 de maio de 2017

a última palavra

É minha,
recordo o eco da minha voz
a propagar-se no silêncio vivo,
atroz e altivo,
ou só atroz;
sozinha.

É a última, a que me pertence,
com ou sem razão,
mais que certo ou errado
não parte para nenhum lado,
sempre à mão,
ou assim eu o pense.

Facto do ego,
a última palavra dita,
é tanto vitória como derrota,
nota:
tanto se segreda como se grita,
calha ao mudo e ao cego...

Sem comentários:

Enviar um comentário